A GÊNESE DO PARTIDO DA IGREJA UNIVERSAL

O trabalho de conclusão de curso da minha esposa foi sobre a Igreja Universal.

As informações que ela coletou e algumas que nâo pôde utilizar por motivos vários –principalmente para evitar retaliações contra suas fontes, pois se trata de gente perigosa– me chocaram. Ofereci-o até, como livro, a duas editoras católicas, que não quiseram comprar a briga.

Também me incomoda que as evidências gritantes de crimes, contidas nas denúncias de promotores e numa série de reportagens irrefutáveis que O Estado de S. Paulo publicou em meados da década retrasada, não tenham desembocado em condenações e em medidas efetivas para proteger as vítimas –as que são privadas até do último centavo e as que perdem a saúde ou a vida por acreditarem em orientação médica de quem não é médico.

Pude, ainda, constatar que Edir Macedo é muito eficiente naquilo a que se propôs, o que o torna personagem das mais temíveis ao estender seus tentáculos para a política.

Então, fiquei estarrecido e indignado ao ler a notícia abaixo da Folha de S. Paulo, confirmando que, independentemente do  efeito Russomanno, o PT continuará favorecendo o crescimento do  partido da Igreja Universal, cuja criação foi estimulada pelo Lula.

É o que nunca me passou pela garganta no caso do ex-presidente: ele raciocina unicamente em função de conveniências políticas imediatas e menores. Quer que o PT vença eleições, pouco ligando para o fato de que um partideco reacionário por ele estimulado poderá um dia se tornar um partidão de características nazistóides e com influência extremamente nefasta na política brasileira.

Muitos colocam Lula nas alturas porque conduziu o PT à Presidência da República e colocou algumas migalhas a mais na mesa dos pobres.

Omitem, no entanto, que seu pragmatismo tosco levou à desideologização e descaracterização do PT, privando o Brasil de um partido revolucionário que poderia torná-lo um país igualitário, ao invés de um dos mais desiguais do planeta; e um país que oferecesse qualidade de vida ao seu povo, ao invés do que ostenta Índice de Desenvolvimento Humano tão ínfimo.

Governando numa conjuntura internacional extremamente favorável ao Brasil, Lula fez bem menos do que poderia, pois cumpriu religiosamente o pacto firmado com o grande capital em 2002, no sentido de manter as linhas mestras da política econômica neoliberal de FHC.

Está na hora de tomarmos dos capitalistas para distribuirmos ao povo, ao invés de apenas distribuirmos ao povo a merreca de que os capitalistas admitam abrir mão.

Delfim Netto, outro que Lula jamais deveria aceitar como companheiro de jornada, dizia, no tempo da ditadura, que era preciso esperarmos pacientemente o bolo crescer, para que depois pudesse ser dividido. 

Já cresceu, mas continuamos vendo a divisão por um binóculo. Enquanto permanecermos de braços cruzados, esperando a boa vontade dos que usurpam os frutos do trabalho alheio, não passaremos de pobres coitados.

Revolucionário existe para tornar o povo o sujeito da História. A diferença é enorme com os que querem mantê-lo na eterna dependência de homens providenciais, votando no partido que lhe oferece um tiquinho a mais do que as outras forças políticas, ao invés de exigir tudo a que tem direito.

Eis o esclarecedor texto do repórter Bernardo Mello Franco:

O PT pretende poupar a Igreja Universal de ataques caso Fernando Haddad passe ao segundo turno contra o líder Celso Russomanno (PRB), cujo partido é controlado pela denominação.

Os petistas temem uma retaliação da TV Record ao governo Dilma Rousseff e devem usar o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), para negociar um pacto de não agressão na disputa.

Além disso, o ex-presidente Lula costurou a aproximação entre o PT e a igreja do bispo Edir Macedo e incentivou a criação da sigla aliada.

O vínculo do partido de Russomanno com a igreja do bispo Edir Macedo tem sido usado por José Serra (PSDB) e Gabriel Chalita (PMDB) como principal arma contra o líder das pesquisas.

Haddad, no entanto, tem evitado a polêmica. Limita-se a criticar, de forma genérica, o uso de máquinas religiosas em campanhas rivais.

“Nossa linha será desconstruir Russomanno pela ausência de propostas, sem entrar nessa coisa de igreja”, diz o deputado estadual Simão Pedro, que integra a coordenação da campanha petista.

Bispo licenciado da Universal e ex-executivo da Record, o presidente do PRB, Marcos Pereira, diz estar “certo” de que o PT não usará a igreja contra seu candidato.

“Eles já optaram por não fazer isso”, afirma. “Se o PT tentar dizer que as nossas propostas são falhas, é aceitável. O que não pode é levar essa questão da religião.”

Anúncios

6 comentários

  1. Eu estranharia, se ele não tivesse tentado alavancar a campanha do Crivella colocando o Exército (que não queria ir…) no Morro da Providência.

    Ou seja, de uma vez só o Lula cometeu duas abominações:

    – colocou os militares para cumprir funções para as quais não estão preparados e que tiveram terríveis consequências no passado (jamais deveríamos chamá-los de novo para resolver problemas da sociedade, eles devem é nos defender de inimigos externos, mais nada!!!);
    – tentou ajudar um político direitista a eleger-se prefeito, quando deveríamos mais é estar fazendo tudo para que não se elegessem os filhotes do Edir Macedo.

    Agora, a orientação de não atacar o PRB como cavalo de Tróia da Igreja Universal comprova que o PT continua chocando ovos de serpente, em função do mais rasteiro oportunismo político.

    Perca ou ganhe a eleição, jamais vou transigir com infâmias como esta. A Igreja Universal e o Delfim Netto são inimigos da esquerda EM QUAISQUER CIRCUNSTÂNCIAS e é assim que devem ser tratados.

    Pelo menos, é assim que eu sempre os tratarei. Vocês jamais verão fotos minhas aos beijos e abraços com o Maluf, o Edir Macedo, o Delfim, o Sarney, o Collor e outros dessa laia…

    Curtir

  2. Não creio ter tido Lula muito a ver com o engrandecimento dessa Igreja. Em quê ele teria ajudado ? Também acho bastante perniciosa sua ação no Brasil, mas elas vieram todas na década de 70. Agora, me parece não ser bem o momento para se abrir outra frente de luta, você não acha ?

    Curtir

  3. PELO CONTRÁRIO, ACHO QUE AGORA É O MOMENTO CERTO DE ABRIRMOS ESTA FRENTE DE LUTA!!!

    Se não aproveitarmos para denunciar o risco que o “partido da Igreja Universal” representa para a democracia brasileira quando estamos todos lutando contra o pesadelo Russomanno, quando o faremos?!

    O PT não deveria aceitar uma tralha dessas na “base aliada”. Aliada de quem? Minha é que não é…

    Curtir

  4. Infelizmente, não. Na verdade, o TCC era da Juliana e de uma colega. Houve anuência de ambas quanto à publicação em livro, caso uma das duas editoras católicas (a Vozes e outra da qual não me lembro mais o nome) topasse a parada.

    Como isto não aconteceu, elas avaliaram que não compensaria exporem-se a retaliações disponibilizando na web.

    O trabalho foi fundo naquela podridão toda. Poderia mesmo acarretar alguma ação legal ou coisa pior.

    Eu assumiria o risco, mas nunca peço a ninguém que faça o mesmo. Quando algo dá errado, o sentimento de culpa é terrível.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s