FALA BAIXO SENÃO EU GRITO

Informação da coluna da Mônica Bergamo:

A CNV (Comissão Nacional da Verdade) entregará a grupos estaduais e municipais que também apuram crimes da ditadura um documento com orientações para a tomada de depoimentos de vítimas do regime. O manual de conduta ética recomenda ‘em hipótese alguma julgar a experiência narrada’, ‘considerar o trauma’ e ‘estar preparado(a) para amparar quem está (sic) prestando declarações’.

O texto lembra que, no caso de pessoas que sofreram tortura, ‘falar sobre a própria experiência é revivê-la’. Por isso, é preciso ‘estabelecer uma atmosfera de empatia e acolhimento’. No espaço, deve haver água e lenços de papel. No fim, deve-se ‘agradecer o testemunho, a coragem e a disposição’ do depoente. Os relatos colhidos pelas comissões locais auxiliarão o trabalho da CNVV.

Burocracias são assim: acreditam que seu papel seja o de estabelecer regras para todas e quaisquer situações do cotidiano, como se seus luminares fossem adultos a zelar por eternos infantilizados. Então, põem-se a pontificar sobre o óbvio ululante com a empáfia de quem acabou de descobrir a pólvora. E, claro, acabam quase sempre incorrendo em ridículo involuntário.

Será que alguém tão obtuso e insensível a ponto de não chegar às mesmíssimas conclusões por si próprio seria considerado apto para integrar uma comissão da verdade? 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s