…LONGE, LONGE, OUÇO ESSA VOZ QUE O TEMPO NÃO LEVARÁ!

Uma faceta que raramente mostro aqui é a de poeta, embora tenha papel marcante na minha trajetória.


Já que estamos às voltas com mais um infeliz aniversário da ditadura de 1964/85 -este mais significativo, pois será o de meio século-, e também porque muitos não têm noção do que seja viver sob as botas de um tirano (afora os que sabiam, mas esqueceram…), aproveitarei para repostar algumas poesias a ela direta ou indiretamente alusivas. 

Pois nada, absolutamente nada, é pior para um ser humano do que ter todos os seus direitos limitados, os seus passos vigiados e seus sonhos sufocados por um ogro fardado qualquer.

FRENESI                                                          in memorian:          

No centro de um redemoinho,

girando à deriva,
buscando um amigo
e uma ilusão repartida,
abrindo caminho certo
na incerteza da sorte,
misturando amor e morte
na confusão dos sentidos,
correndo o mundo à procura
de abismo ou abrigo,
sem medo da fria aurora

nem do sol a pino,

diluindo as certezas
num insensato rodopiar,
girando a minha vida
até a morte.

[Versos adolescentes, mas que me trazem à 

lembrança a cela do 2º andar do DOI-Codi/RJ:
eu os declamei para meus companheiros de 
infortúnio, assim como o bom Joaquim Cerveira 
cantava seus sambas, pois fazíamos de tudo para 
driblar o desespero e manter elevado nosso ânimo]

**********
HADES

Terrores primitivos,

marcados a ferro e fogo
em nossas mentes febris,
nos porões de uma pirâmide de plástico,
nos labirintos da sanidade e loucura,
nas encruzilhadas entre a vida e a morte,
truncando nossos pensamentos,
tragando nossa identidade,
distorcendo nosso ser.
O passado de tocaia, mirando a presa – um sonhador.
O passado de tocaia, mirando a presa – um lutador.
O passado de tocaia, mirando a presa – um mártir.
[a ditadura refletida no espelho da mente – 1]

**********
DESAFIO
Eu tenho uma faca encostada na barriga,
um grito de guerra sufocado na garganta,
meu canto desafina a ordem unida nas ruas,
evocando feitos de uma gente banida, escondida.
Recordo um abraço trocado no calor da luta,
sorrisos, promessas, lampejos de amor e alegria,
o sol refletido no ardor de um povo acordando,
os corpos transbordando esperança e paixões.

Trago comigo o legado de heróis esquecidos,

anseios de vidas apostadas no futuro da vida,
e vejo a apoteose da morte no paraíso tropical,
esperança traída, esmagada com torturas e tiros.
[a ditadura refletida no espelho da mente – 2]

**********

MOSAICO

Graça a sacra, a engraçada,

a mui gangrenada família,
a sábia pomposa latrina,
a velha meretriz assassina,
a Graça sangrando chacina.
Peço espaço pra espalhar sopapos,
solapar o supra-sumo saber palhaço,
expectorar o pus mofado das patriapatices,
empalhar o solene símio embandeirado
e morder a vagina da divina musa.
Falo no embalo dos claros de tudo que calo,
mas o embalo clareia os fatos que calo
e só calo aquilo que todos já têm claro,
mas falarei um dia a corpos límpidos claros,
que jamais calarão o embalo dos fatos que falo.
corre escorre o homem que morre,
corre escorrendo e chega morrendo,
correndo para o córrego vai tudo que morre
e o homem escorre como lágrimas que correm,
o homem lavado-secado-passado-escorrido-morrido.
A musa muda na mesa como uma mula
e a velha sangra em pomposa chacina,
o supremo lambe a vagina mofada
e nenhum homem escorre corrido-morrido.

No embalo dos fatos falarão todos que calam

e os libertos sonhos de terra, sol, eros, mar e ar
implodirão a mula sagrada família.
[poesia-desabafo que fiz em 1971, mal saído da 
prisão e tendo de adotar uma linguagem cifrada, 
a menos arriscada naquele momento]
**********
FÊNIX

Levanto minha tenda nos limites
desta terra devastada.
Com os sonhos da gente derrotada
alimento minha vontade.
Finco-me no solo como a bandeira
da terra da liberdade
que ainda não se consumou.
Trago em mim os pesos
e as medidas.
Só meço as migalhas de hoje
pelas esperanças de ontem.
Desminto esse paraíso
de marionetes.
Jogo a verdade bruta,
como uma fera,
no meio do banquete.
Falo para todos
que não querem ouvir,
relembro tudo
que tentam esquecer.
Digo verdade,
quando falam em publicidade.
Digo liberdade,
quando falam em progresso.
Digo amor,
quando falam em ordem.
Digo humanidade,
quando falam em país.
Jamais omito
que a plenitude
está a um passo.
Jamais perdôo
os que não ousam
dar esse passo.
Monto guarda aos túmulos
dos verdadeiros heróis,
guardando na lembrança
a história dos meus tempos.
Tristes, violentos, confusos,
amargurados tempos!
Um dia apontarei
quais as estátuas a derrubar
e nos feitos de quem,
para o povo, falar.
Nos limites
desta terra devastada,
assisto ao pesadelo
que colocaram no lugar
do sonho.
Espero a centelha da vida brilhar,
tímida, em alguns olhares,
as dúvidas, aos poucos,
se transformarem em certezas
e uma nova onda brotar,
crescer e se desencadear,
para extirpar toda covardia,
toda mentira
que nos fizeram engolir
e ir mais longe,
muito mais longe
do que fomos capazes de ir!
[profissão-de-fé e declaração de intenções que 
escrevi lá por 1973, era a poesia que eu sempre 
apresentava para os pequenos públicos 
reunidos pelo Grupo Cacimba]
**********
JOE
Eu posso suportar uma tempestade!
Que ninguém me creia vencido
pois estou consciente de tudo:
com as cinzas do meu passado,
vou erguendo a montanha
que soterrará esta calmaria.
Falo palavras dos outros
em território hostil e alheio
– estranho numa terra
estranha, sim, Heinlein!
Mas ainda sei distinguir
os timbres falsos
dos verdadeiros
e espero minha hora.
Do centro deste redemoinho,
quando todos se calam,
nada sentem e só consentem,
lanço meu desafio:
não passarão cinco anos
sem que eu esteja de volta!
Tudo que acumulei entre os lobos
ajudará a forjar minhas armas.
Se hoje suporto uma tempestade,
estejam certos de que, ao voltar,
trarei comigo um dilúvio!

[inspirada pela canção “I Can Stand a Little 
Rain”, do repertório de Joe Cocker, é outra 
profissão-de-fé e declaração de intenções de 
meados da década de 1970, que se revelou 
otimista em excesso: a minha volta à 
plenitude da luta demorou muitos anos mais]

********
FORMATURA
Era uma vez
jovens amigos
na luta perdida.

Era uma vez

primícias de vida,

arrojo e perigo.
Era uma vez
passeatas na rua,
estilhaços de vidro.
Era uma vez
tiros faiscando,
vagalumes na noite.

(Foi tão rápido,

dos sonhos grandiosos
ao pesadelo escondido!)
Diego
Hombre de España,
existencialista e
meia-armador.
Bisou o pai,
lutou uma guerra.

Eremias

Era mau aluno,
treinava judô.
Sorriso moleque,
morreu em pedaços,
35 balaços.
Edmauro
Sonhava o amor,
matraqueava demais.
Tanta inocência
levou aos porões,
acabou no exílio.
Gerson
Nem no inferno
perdeu a coragem.

Nem na trégua

repensou a viagem.
Seu olhar brilhava.
Teresa
Só ela sabia
se era por Gerson
ou pela causa.
Companheira igual
nunca vi.
Mané
Cantava sua fé,
imitava Vandré.
Quando o épico

resultou trágico,

se desencontrou.
Gilson
O que fazia
um bancário
na revolução?
Terno e gravata,
pólvora e graxa.

* * *

Hoje ninguém lembra
destes e tantos mais –
assassinados uns,
amargurados outros.
Era uma vez meus amigos,
era uma vez 68.

[tributo aos companheiros secundaristas que, 
em abril/1969, ingressaram comigo na Vanguarda 

Popular Revolucionária; vale dizer que  o Gilson
Theodoro de Oliveira não era bancário e sim
funcionário da Companhia Siderúrgica Nacional,
do que só fiquei sabendo bem depois (todos nós 
dávamos então pistas falsas acerca da nossa 
identidade, residência, emprego, escola, etc., 
por motivos de segurança]

*********
INVISÍVEIS
A tempestade passou,
o marasmo nos afogou.
Nem o inimigo era tão formidável
nem conseguimos fazê-lo desabar
com o estrondo prenunciador
de um novo amanhecer.
Restamos nós,
invisíveis,
em meio à ganância e desamor,
aos afazeres mesquinhos
da grande estagnação.
Olhamos o companheiro
querendo saber
que fim levou nossa festa,
como explicar tanto sofrimento,
a esperança traída,
a vida mal vivida,
a noite que nunca acaba?
Nem a compreensão tivemos
dos que nos fizeram heróis de quadrinhos,
dos que nos fizeram vilãos de quadrinhos.
Os ratos bem souberam
a hora de voltar para o navio,

ocupando os melhores ângulos

sob os holofotes,
flashes e closes,
entrevistas e livros.
A História como tragédia,
a História como farsa,
como sórdida mentira.
Restamos nós,
invisíveis,
os únicos a não comer
as migalhas
do monumental banquete.

Arregaçamos as mangas,
conscientes da derrota,
começando novamente
a empurrar a pedra
para o topo da montanha.
[poesia do início da redemocratização, quando  os que 
pouco fizeram adornavam-se com todos os louros e 
os que muito fizeram eram relegados ao esquecimento]
**********
INVENTÁRIO
Em cada encontro
me perco,

em cada palavra

me calo.
Sou eu, ainda?
Sou outro, já?
É o mesmo sangue
na veia
ou borra vermelha?
É a mesma raiva
altaneira
ou pálido esgar?
É o mesmo amor
guerrilheiro
ou tesão outonal?
As ruas não levaram
às praças,
os rios não chegaram
aos mares.
Restamos nós
com a lucidez,
restamos sós
com a altivez,
restamos pós
com a aridez.
[o mal-estar que eu sentia, prestes a completar 50 
anos, sem ter conseguido concretizar os grandes 
objetivos da minha vida; logo depois, cairia 
de novo na estrada]
*********
TESTAMENTO
Do que somos,
nada restará.
Os sonhos se desvanecerão,
agonizando em descrença.

O Destino, deus cruel,
selará nosso esquecimento.

Saibam: éramos solidários
no melhor e no pior.
Lutamos, sofremos, tentamos
reavivar o fogo de Prometeu.
Em meio à insensibilidade
nos mantivemos íntegros.
Ninguém nos fará justiça,
a História é traiçoeira.
Que importa?
Teremos vivido
com força e coragem,

com amor e liberdade.

[na mesma linha da anterior, a acumulação 
de forças para uma nova ruptura]
*********
POESIA
Era menino inquieto,
inteligente e tímido,
projetando mais que fazendo,
sonhando mais que vivendo,
buscando nos versos
o que faltava em atos.

Conheci o amor

junto com a revolução:

era o espírito da época.
Mergulhei nos livros,
descobri os profetas,
me encontrei na luta.
Vencer ou morrer
era nosso lema.
Ter sobrevivido
aos companheiros
e ao sonho –
que fardo terrível!

Reconstruir-me durante
a grande prostração.
Inventar motivos

para continuar vivendo.

Loucos sonhos dourados.
Liberdade em microcosmo.
Depois das tempestades,
a insossa rotina.
Depois do amor maior,
o mero prazer.
Depois da redenção do homem,
a ascensão profissional.

Meio século escorreu

entre os dedos,
mas não aceitei
envelhecer e definhar.
Comecei tudo de novo,
outras páginas escrevendo.
Não plantei árvore,
livros, sim, muitos!
A criança vem chegando
(há tanto aguardada!).
Amor tive e tenho de sobra.
Que mais poderia querer?
[balanço que fiz da minha trajetória, quando  
construía uma nova vida; a criança aguardada, 
minha doce Luana, está prestes a completar 
doze anos, e agora tem a companhia da 
adorável Laurinha, com seus cinco aninhos]
**********
IDENTIDADE
De tantos sonhos desfeitos,
de tantas batalhas agônicas,
de tantas revoluções traídas:
guerreiro.
Titã surgido do Caos,
lutando para espalhar
o fogo da revolta
entre os mortais abúlicos.

[o ponto de chegada, um pouco pretensioso, mas é 

próprio dos revolucionários se compararem a 
Prometeu e, eventualmente, também a Trotsky]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s