TRAGÉDIAS E FARSAS

“A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa.”

A frase é de Karl Marx, em O 18 Brumário de Luis Bonaparte.

Cai como uma luva para quem banaliza a gloriosa saudação do Poder Negro, que os medalhistas dos 100 metros Tommie Smith e John Carlos exibiram em pleno palanque da Olimpíada de 1968, no México, sendo por isto expulsos da delegação estadunidense.

Foi um gesto tão marcante da luta contra a desigualdade e o racismo que, entre nós, poucos além do doutor Sócrates teriam autoridade moral para o repetir -como ele fez no curso da luta travada para enterrarmos de vez a ditadura putrefata. 

Afinal, a mobilização pelas diretas-já também foi um episódio maior do século passado (pelo menos para nós, brasileiros).

Já no século atual, os herdeiros do Poder Negro e do doutor Sócrates são os jovens que, com muita coragem, enfrentam nas ruas as mais truculentas tropas de choque, integradas por policiais cuja formação continua sendo caracteristicamente ditatorial. 

Se vierem a adotar a antiga e emblemática saudação, aplaudirei. Estes não estariam sendo farsantes.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s