LUNGARETTI PERGUNTA: "CADÊ A MOOCA?"

O imponente Cotonifício Crespi abriu falência em 1964…
O belíssimo artigo de Apollo Natali (vide aqui), meu velho companheiro de batente na Agência Estado e amigo querido há quase três décadas, mexeu com minhas lembranças. Se suas raízes estão fincadas no Bixiga, as minhas foram arrancadas da Mooca, onde morei até os 18 anos, quando saí do lar paterno para me aventurar pelos caminhos tortuosos da luta armada.
Minha família continuou por lá, de forma que eu nunca perdi contato com o bairro que se formou praticamente em torno do cotonifício Crespi, um dos marcos da industrialização de São Paulo, fundado em 1897.
Foi o palco onde se iniciou e do qual se irradiou a primeira greve geral brasileira, a de 1917, cuja magnitude foi durante longo tempo minimizada pela historiografia comunista, por ter sido organizada por anarquistas.
…mas suas instalações permanecem preservadas.

Ao redor do cotonifício foram surgindo fabriquetas, pequeno comércio, residências. Nos meus verdes anos, ainda era um bairro de trabalhadores e de baixa classe média, muitos estrangeiros (italianos, portugueses, espanhóis, alemães e até húngaros, armênios e lituanos), com seus vários conjuntos habitacionais implantados pelo Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários, suas vilas em que as famílias sentavam-se à noite na porta de casa para papear com os vizinhos, suas ruas que fazíamos de campos de futebol (e os poucos carros passavam lentamente, nos respeitando), com um favelão incrustado bem no seu meio, num enorme terreno baldio existente entre as ruas Padre Raposo e do Oratório.

Hoje foi tomada por uma classe média endinheirada, que mora lá e trabalha alhures. Quase já não tem fábricas, nem vilas. A avenida Paes de Barros, onde cheguei a morar nos fundos de uma casa maior, agora está quase toda preenchida por bancos faraônicos e mansões idem.
Foi no Crespi que começou a grande greve de 1917

O colégio São Judas Tadeu, no qual estudavam os rebentos de famílias remediadas que eram burrinhos ou preguiçosos demais para se darem bem nas exigentes escolas públicas, virou um império educacional. E o hospital da Sociedade dos Chauffeurs, o São Cristovão, um império da medicina mercantilizada. O Cema, mais recente, vai na mesma direção.

Quando, em tempos recentes, visitava minha mãe nas tardes de domingo, não havia viva alma à vista; parecia cidade fantasma. Que saudades do burburinho e efervescência de outrora, quando às vezes ia esperar meu pai à saída do Crespi e eram milhares os que vinham ao lado dele! Que saudades de pulgueiros como o Aliança, o Patriarca, o Imperial, o Icaraí, o Moderno e o Safira, românticos cinemas de rua que, bem disse o corvo, “nunca mais”…
O mártir ignorado pela Mooca

O bairro que apagou totalmente de sua memória a fundamental greve de 1917 é também o bairro que faz questão de esquecer os quatro jovens que, em 1968, paramos o Colégio MMDC, obrigando a diretora a antecipar as férias de meio de ano para proceder ao previsível expurgo. Três logo estaríamos pegando em armas contra a ditadura.

Muito tentei e não consegui que a Mooca reverenciasse o herói que produziu, provavelmente o único de sua história: meu amigo de infância, colega de escola desde o Grupo Pandiá Calogeras, companheiro de movimento estudantil e de militância revolucionária Eremias Delizoicov, executado em outubro de 1969, aos 18 anos, com 35 disparos que o desfiguraram por completo, desferidos desnecessaria e covardemente pelos carrascos da PE da Vila Militar (RJ).

A última escola que cursou na sua curta existência, paradoxalmente, leva até hoje o nome dos estudantes assassinados pela ditadura getulista, ao invés de homenagear um estudante que saiu de seus bancos para ingressar na história dos oprimidos, como um de seus mártires.

A Mooca proletária e calorosa que eu amei não existe mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s