A MÚSICA DO DIA NÃO PODERIA SER OUTRA

Postar “The end”, dos Doors, no rescaldo do vexame histórico da seleção brasileira, foi sacanagem. 
Mas, convenhamos, é melhor levarmos a humilhação na esportiva do que passarmos o resto da vida remoendo mágoas, como fez a geração do meu pai depois do maracanazo.
E se tratou de uma oportunidade para eu destacar uma das maiores obras-primas que a era do rock produziu, fruto da rica bagagem poética do letrista e vocalista Jim Morrison, cujos delírios sombrios remontavam a Baudelaire e Rimbaud.
Eis uma pequena evocação do momento em que surgiu a canção, copiada deste site aqui:
“Talvez a mais intrigante composição dos Doors, ‘The End’, tenha sido originalmente concebida para ser uma simples ‘canção de adeus’, apenas com o primeiro verso e o refrão, mas aos poucos foi sendo expandida ao sabor da guitarra etérea de Robby [Krieger] e das novas imagens criadas por Jim na letra. 

Naquela última noite no Whiskey-a-Go-Go, Jim – que não havia se apresentado na primeira entrada por estar totalmente alucinado de ácido – decidiu subir na segunda e encerrou-a com ‘The end’. Foi a primeira vez que ele deu à canção o seu formato final, recitando seu famigerado trecho edipiano:


O assassino acordou antes do amanhecer 
Calçou as botas 
Tirou um rosto da antiga galeria 
E caminhou pelo corredor 
Foi até o quarto onde sua irmã vivia 
E depois visitou o seu irmão  
E depois caminhou pelo corredor 
E chegou até a porta 
E olhou para dentro  
Pai?  
Sim, filho 
Quero … 
Mãe, quero…

Em seguida a essa parte, Jim acrescentou um portentoso “Aaaahhhhhh!!!!”, agregado a um cataclisma sonoro detonado pelos instrumentos, que então retornavam a sua melodia original até a conclusão do barítono cavernoso de Jim proclamando: ‘This is the end’.

Após a execução, não houve qualquer reação do publico, que permaneceu estupefato em um longo silêncio, que só foi quebrado gradativamente pelo movimento no bar e as conversas nas mesas. Por seu lado, os proprietários do Whiskey-a-Go-Go enxotaram a berros de fúria os Doors de seu estabelecimento. 

Mas este não foi o fim, pois logo nos primeiros dias de setembro de 1966 o grupo estaria no estúdio Sunset Sound (…)  para iniciar as sessões de gravação de seu disco de estréia. As portas da glória começariam a se escancarar para Jim, Ray [Manzarek], Robby e John [Densmore]”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s