AÉCIO FOI O MELHOR DOS GRANDES; LUCIANA DEU LIÇÕES DE COERÊNCIA.

O primeiro debate entre os presidenciáveis, promovido pela Band, foi bom para Aécio Neves, razoável para Marina Silva e ruim para Dilma Rousseff. 
Luciana Genro se revelou uma grata surpresa, mostrando a coerência que, num ou noutro momento, faltou a cada um dos grandes
De resto, Eduardo Jorge foi o responsável pelos alívios cômicos, enquanto o Zé Fidelis (*) da chanchada política atual e o pastor que ignorava o significado de fator previdenciário ofereciam uma segunda chance aos telespectadores que não haviam aproveitado o intervalo para assaltar a geladeira ou fazer xixi.
Aécio e Marina capitalizaram bem o sentimento popular de que o País estagnou e o governo arrogantemente nega o óbvio ululante. Martelaram muito este conceito, minando a imagem de Dilma, que jamais encontrou uma resposta apropriada.
O tucano se mostrou mais articulado, expressando-se melhor do que os rivais diretos. Foi um achado a afirmação sarcástica de que todos gostaríamos de viver no país mostrado nas propagandas do PT, mas, obviamente, ele já a trouxe pronta. Parabéns para o criador da frase, seja lá quem for…
A acriana fugiu de muitas perguntas, mas deve ter agradado aos brasileiros com perfil similar ao dos devotos evangélicos (e eles são uma parcela enorme do eleitorado!), com sua ênfase na união das boas pessoas para construir algo diferente da desgastada dicotomia PT-PSDB. 
Nela o discurso político se confunde com a pregação pastoral, então o impacto que causa não é facilmente captado por nós, que fazemos abordagens racionais da política. [Exemplo clássico: em 1985, na eleição para prefeito de São Paulo, FHC parecia haver ganhado de goleada o debate com Jânio Quadros, mas a performance do velho canastrão ainda conservava para o povão, um encanto que nos era imperceptível. Contra a grande maioria dos palpites e desmoralizando pesquisas eleitorais, o personagem folclórico derrotou nas urnas o intelectual sofisticado.]
Dilma, citando números e realizações o tempo todo, parecia movida a decoreba. Seu triunfalismo se chocava com o estado de ânimo dos brasileiros, predominantemente negativo, angariando-lhe antipatia. E sua defesa do perfil de gerentona foi um erro, pois pode-se dar um crédito de confiança aos governantes visionários quando as coisas não vão bem (eles, ao menos, estariam plantando as sementes de dias melhores), mas quem tem como única serventia fazer o governo funcionar, precisa apresentar resultados. O povo, contudo, não os está vendo; e sua experiência cotidiana lhe indica que, quando tal acontece, os gerentes têm de ser demitidos.
Aécio e Dilma podem continuar na linha adotada nesta 3ª feira, aprimorando-a nos detalhes. 
Dilma precisa mudar radicalmente a sua, se quiser chegar ao 2º turno. Com mais do mesmo (auto-louvando-se por realizações do passado, não admitindo que o presente é insatisfatório nem se dispondo a qualquer autocrítica ou mudança de rumo), poderá despencar a ponto de ser superada pelo Aécio (que, por enquanto, está num patamar inferior ao que costuma ser atingido pelas candidaturas de direita).
O PT tem até meados de setembro para reformular a chapa. Dependendo da situação de Dilma lá pelo dia 10, talvez o partido a convença a renunciar, para que o Lula venha salvar a pátria. Caso contrário, estará flertando com a derrota.
Finalmente, o que mais me chocou, como homem de esquerda, foi ouvir a Dilma dizendo, embevecida (só faltava o acompanhamento de violinos…), que quer transformar o Brasil num país de classe média. Igualzinho aos EUA? Argh! 
Quem não esqueceu o marxismo aprendido no início da caminhada, quer mais é ver as classes sociais extintas no Brasil e no mundo, juntamente com todas as divisões artificiais entre os seres humanos. Nosso compromisso é com o igualitarismo e com uma sociedade sem estado, sem classes e sem fronteiras nacionais. 
Não com a expansão da classe média, que, por sinal, geralmente traz consigo um aumento do conservadorismo –o que talvez explique as dificuldades encontradas pelo PT na presente campanha.
* nome artístico de Gino Cortopassi, um dos grandes humoristas brasileiros da era do rádio.
Anúncios

1 comentário

  1. Sinceramente, não acredito que Marina convocaria a população para governar com ela, visando assim, compensar o fato de não ter uma base forte no Congresso e colocar, desta forma, a velha elite dominante na parede. Pelo que lemos e ouvimos em suas entrevistas, há uma preocupação em se fazer alianças com os mesmos setores que “engessaram” o PT. (bom deixar claro que o PT se permitiu engessar-VERGONHOSAMENTE)

    Um abração Celso

    Marcelo

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s