NINGUÉM É TOTALMENTE DESPROVIDO DE TALENTO. O DE JOSÉ PADILHA, P. EX., É REDIGIR ARTIGOS…

Quando eu já estava desistindo de José Padilha, eis que ele me surpreende com algo realmente bom: seu artigo sobre como o autor de A desobediência civil encararia a eleição presidencial brasileira de 2014. Um texto infinitamente melhor do que suas apologias cinematográficas da bestialidade e da tortura. 

Parece-me que, quanto à escolha de carreira, ele só acertou em termos financeiros (apostar nos maus sentimentos das pessoas rancorosas é receita certa de sucesso!); dedicando-se à escrita, talvez nos oferecesse criações de real valor artístico.

Vamos ao que viemos:

NEM AÉCIO NEM DILMA; 
EU FECHO COM THOREAU

Henry David Thoreau escreveu em Vida sem princípio: ‘O que se chama de política é algo tão superficial e desumano que eu sequer consigo imaginar que tenha a ver comigo’.
E depois, em A Desobediência Civil: ‘Nenhum homem está obrigado à erradicação de qualquer mal, mesmo que seja o mais terrível deles… Mas todo homem tem a obrigação de limpar as mãos e não dar apoio a mal algum’.
A posição do americano Thoreau (1817-1862), construída a partir de uma concepção individualista e extremada da ética –ele foi preso por não pagar impostos a um Estado que aceitava a escravidão–, é inexistente no Brasil, onde impera um pragmatismo escroto.
Acho que seria bom se algum político, artista ou intelectual brasileiro assumisse postura semelhante à de Thoreau. Desse ponto de vista, dar apoio a Aécio ou a Dilma, ao PSDB ou ao PT/PMDB, seria dar apoio à desonestidade e à truculência que constituem a campanha de ambos.
Afinal, dos dois lados existem acordos com políticos desonestos, doadores de campanha para lá de suspeitos (há quem diga que há caixa dois proveniente do desvio de recursos públicos), propagandas eleitorais mentirosas e uma falta de integridade intelectual acachapante.
Dadas as circunstâncias descritas acima, Thoreau bateria de frente com os artistas e intelectuais brasileiros que fizeram questão de declarar seu voto neste ou naquele candidato.
Diria que sacrificaram a sua integridade ética e intelectual em função de escolhas medíocres (quaisquer que sejam elas), feitas à margem dos acontecimentos que realmente importam ao país.
DISPUTAS – E que acontecimentos seriam esses? Thoreau era amante do individualismo radical. Ele valorizava, acima de tudo, atitudes advindas do inconformismo ético e moral. À cabeça me vêm dois juízes: Sergio Moro e Joaquim Barbosa. Foram eles que, para horror da nossa classe política, documentaram como a banda toca no governo, no Congresso e nas empresas estatais.
Pergunto: será que a banda toca do mesmo jeito nos Estados e nos municípios? Será que no Brasil, fornecer para o governo ou para empresas estatais é assinar certificado de suspeição?
Uma coisa é certa: a cada ciclo eleitoral, seja no âmbito federal, estadual ou municipal, no Executivo ou no Legislativo, há no Brasil uma disputa ferrenha por posições que conferem, para este ou para aquele grupo político, o poder de influir nas decisões relativas aos gastos públicos.
Disputa-se, sobretudo, o poder de indicar (para cargos-chave) gente especializada em aumentar o preço de obras, em receber kick-back (propina) de fornecedores e em distribuir recursos via doleiro. É assim que se irriga o caixa dois dos partidos, é assim que se compra apoio político (mensalões) e é assim que se financiam as próximas eleições.
Tenho a impressão de que, sabedor de tudo isso, Thoreau conclamaria os brasileiros a não comparecer às urnas. Teria a propaganda eleitoral gratuita e os debates do segundo turno como argumentos a favor da sua causa. Perguntaria: ‘E se os dois lados tiverem razão quando falam um do outro?’.
A quem retrucasse que votar fortalece a democracia, Thoreau responderia: as mudanças não virão desta política, virão de fora –de um processo de desconstrução da mesma, movido por indivíduos sem filiação partidária.
Serão os juízes, os jornalistas, os intelectuais inconformados que, estimulando a indignação de seus compatriotas, farão a diferença no longo prazo.
Thoreau escreveu em A escravidão em Massachusetts: ‘O futuro do país não depende de como você vota nas eleições. Depende de que tipo de homem sai da sua casa todos os dias’.
Mas, como somos obrigados a votar, talvez só nos reste mesmo o pragmatismo escroto –a opção de, engolindo nossa convicções éticas, optar pelo mal menor (cada um tem o seu) e associar nossos nomes aos PTs, PSDBs ou PMDBs da vida.
Se é isso, então vamos lá que hoje é dia de eleição: Marcelo Freixo e cia. fecham com Dilma. Marina Silva e cia. com Aécio. Eu fecho com o Thoreau. E você, fecha com quem?
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s