CARRASCO CHILENO É CONDENADO NOS EUA A PAGAR US$ 28 MILHÕES DE INDENIZAÇÃO À FAMÍLIA DE VICTOR JARA

A condescendência com a bestialidade dos agentes do terrorismo de estado, paradoxalmente, inexiste em países que nem sequer foram por ela atingidos: agora é dos Estados Unidos que recebemos uma lição de como a Justiça de uma nação civilizada deve tratar bestas-feras responsáveis por crimes contra a humanidade.

O ex-militar chileno Pedro Paulo Barrientos Nuñez, que para lá emigrou em 1990 e acabou adquirindo a cidadania estadunidense, foi condenado por um tribunal da Florida a indenizar em US$ 28 milhões a família do cantor Victor Jara, por tê-lo assassinado no curso do golpe de Estado desfechado por Augusto Pinochet em setembro de 1973 (cujo saldo foi o assassinato ou desaparecimento de 3.200 opositores políticos, além de dezenas de milhares de cidadãos torturados). 

A ação foi aberta pela viúva Joan, pela filha Amanda e pela enteada Manuela, com base na Lei de Proteção à Vítima de Tortura dos EUA, que permite ações civis contra torturadores. Já no Brasil, o máximo que se obteve foi a declaração de que Carlos Alberto Brilhante Ustra havia mesmo sido um torturador, sem que isto implicasse pagamento nenhum a suas vítimas.

O Chile requereu a extradição de Barrientos

Segundo o serviço noticioso português RTP, foi decisivo o testemunho de um antigo subalterno de Barrientos, o soldado José Navarrete, que relatou: “Ele se vangloriara de ter matado Víctor Jara. Costumava mostrar a pistola e dizer: ‘Matei Víctor Jara com isto’. 

Outro ex-soldado do regimento comandado por Barrientos, Gustavo Baez, disse que teve de empilhar dezenas de cadáveres em caminhões. 

Também depuseram dois antigos prisioneiros, que viram Jara ser reconhecido pelos militares, separado dos outros e violentamente espancado. 

Um deles, Boris Navia, contou que Jara foi exibido como um troféu a outros oficiais, tendo um deles lhe esmagado a mão e partido o braço, enquanto dizia: “Nunca mais vais poder tocar guitarra”. 

Finalmente, mataram-no a tiros. Seu corpo tinha 44 balas cravadas ao ser encontrado.

“O SANGUE, PARA ELES, SÃO MEDALHAS”

Durante os três dias em que esteve preso num estádio de futebol antes de ser executado, Jara escreveu um último poema, cuja versão para o português (efetuada pelo site Adital) reproduzo na íntegra:

Somos cinco mil 

nesta pequena parte da cidade. 

Somos cinco mil.


Quantos seremos no total, 

nas cidades e em todo o país? 

Somente aqui, dez mil mãos que semeiam 

e fazem andar as fábricas.


Quanta humanidade 

com fome, frio, pânico, dor, 

pressão moral, terror e loucura!


Seis de nós se perderam 

no espaço das estrelas.


Um morto, um espancado como jamais imaginei 

que se pudesse espancar um ser humano.

Os outros quatro quiseram livrar-se de todos os temores, 

um saltando no vazio, 

outro batendo a cabeça contra o muro, 

mas todos com o olhar fixo da morte.

Que espanto causa o rosto do fascismo!

Colocam em prática seus planos com precisão arteira, 

sem que nada lhes importe.

O sangue, para eles, são medalhas.

A matança é ato de heroísmo.

É este o mundo que criaste, meu Deus? 
Para isto os teus sete dias de assombro e trabalho?! 

Nestas quatro muralhas só existe um número que não cresce, 

que lentamente quererá mais morte.

Mas prontamente me golpeia a consciência 

e vejo esta maré sem pulsar, 

mas com o pulsar das máquinas 

e os militares mostrando seu rosto de parteira,

cheio de doçura.

E o México, Cuba e o mundo?

Que gritem esta ignomínia! 

Somos dez mil mãos a menos 

que não produzem.

 Quantos somos em toda a pátria?

O sangue do companheiro Presidente 

golpeia mais forte que bombas e metralhas.


Assim golpeará nosso punho novamente.


Como me sai mal o canto 

quando tenho que cantar o espanto!

Espanto como o que vivo 

como o que morro, espanto.


De ver-me entre tantos e tantos 

momentos do infinito 

em que o silêncio e o grito 

são as metas deste canto.


O que vejo nunca vi,

o que tenho sentido e o que sinto 

fará brotar o momento…”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s