CAROLINA E A REFORMA DA PREVIDÊNCIA: O TEMPO PASSOU NA JANELA E SÓ A COMPANHEIRADA NÃO VIU!

O bom companheiro Valter Vicente Albachiare, leitor assíduo dos meus artigos, sugeriu no Facebook que eu fizesse “uma compilação dos que estão mostrando a verdadeira situação da Previdência… que ela não é deficitária coisa nenhuma, penso que um gritar daqui, outro dali, pode ser uma maneira de a verdade multiplicar-se”. 

Depois de postar a resposta, notei que ela resumia bem a diferença de enfoque entre a minoritária esquerda revolucionária e a majoritária esquerda reformista (a qual sempre me faz lembrar um dos sucessos do Chico Buarque, ao continuar insistindo até hoje nas lutas e posturas de um passado cada vez mais distante: “o tempo passou na janela e só Carolina não viu”).

Então, decidi publicá-la aqui, na esperança de contribuir para a chegada do século 21 nos arraiais (e também nos saraus) da companheirada… (CL)

.

Prezado Walter, 

 

o austericídio é só o que podemos esperar do capitalismo neste momento em que suas contradições cada vez mais se aproximam do impasse definitivo

Temo. contudo, que a Previdência, nos moldes atuais, marche mesmo para a insolvência em médio ou longo prazo. 

Fazendo a conta como os chamados guarda-livros de outrora, ou seja, considerando apenas e tão somente se as receitas superam, equivalem ou são inferiores às despesas, não há dúvida de que a equação não poderá sustentar-se por muito tempo, já que existem cada vez menos trabalhadores ativos por beneficiário. 
 

Temo também que os analistas a que você se refere estejam fazendo mais propaganda e proselitismo do que análise de viabilidade econômica séria. 

 

A grande questão é a que eu e o Dalton Rosado colocamos o tempo todo: o que importa mais para nós, as contas baterem ou os seres humanos sobrevivermos? Se não dá para garantir-se a idosos e pessoas que se tornaram incapacitadas para o trabalho uma existência minimamente digna, isto não ocorre porque as contas estariam erradas ou porque corruptos saqueiam a Previdência, mas por um motivo bem maior, de ordem geral: a lógica do capitalismo é a lógica das coisas e não a lógica dos homens. 

 

Então, a bandeira correta não é tentarmos evitar a reforma desumana da Previdência, pois o capitalismo acabará conseguindo mesmo impô-la, como vem impondo abominações similares em todo o planeta

A luta a travarmos neste momento é contra o capitalismo em si, não porque seja a nossa preferência como revolucionários, mas porque o capitalismo hoje é o grande inimigo da felicidade humana e a barreira que se antepõe a todas as nossas tentativas de a concretizarmos. 

 

Quem tenta salvar a Previdência atual é quem tenta provar que ainda dá para salvar o capitalismo. Não dá. Ele está nos estertores e, daqui em diante, vai se tornar cada vez mais perverso, destrutivo e nocivo aos seres humanos

 

Há muito tempo deveríamos estar direcionando nossos esforços para a luta que realmente podemos ganhar, precisamos ganhar (até mesmo para garantirmos a sobrevivência da humanidade) e que compensa ganhar. 

 

Não é colocando o dedo na rachadura que conseguiremos evitar que o dique se rompa e nos afogue a todos. Enquanto mantivermos este tipo de ilusão, continuaremos patinando sem sair do lugar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s