GRITAR “FORA, TEMER” GARANTE APLAUSOS, MAS A APOSTA REALISTA É “DENTRO, TEMER”

GOVERNO TEMER É GERINGONÇA DIFÍCIL DE DERRUBAR

Por Vinícius Mota

A ansiedade que antecede a divulgação da nova lista de investigados ilustres do procurador Janot agita a República. A torcida ao redor dos defenestrados pelo impeachment aproveita a oportunidade e amplia o coro Fora, Temer.

 

Os profissionais da política, contudo, já entenderam a natureza do jogo. A Lava Jato tem baixa probabilidade de dissolver, até o pleito de outubro do ano que vem, o amálgama deste governo de transição.

 

O foro privilegiado garante uma longa sobrevida aos implicados. Em março de 2015, a primeira lista de Janot foi divulgada pelo Supremo com dezenas de investigados. Dois anos depois, nada de notável aconteceu na corte, a não ser a abertura de processo contra Eduardo Cunha.

Qual o nome deste quadro? “A fantasia guiando os ingênuos”?

Apenas uma feitiçaria do STF, difícil de acontecer, poderia remeter muitos desses inquéritos para a primeira instância federal, que tem se mostrado mais célere.


Resta o julgamento das contas da chapa Dilma-Temer pelo tribunal eleitoral. Prazos regimentais, nomeações de novos juízes pelo presidente da República e o leque de recursos da defesa, que pode fazer o caso chegar até o Supremo, alongam no horizonte a definição desse litígio.

 

A solução da Carta na hipótese de cassação de Temer, um pleito indireto para mandato tampão, torna-se tanto mais insólita quanto mais se aproxima a eleição direta regular. Os juízes levarão isso em conta ao decidir o processo eleitoral.

 

A tecnologia para lidar com impactos políticos da Lava Jato está desenvolvida. O Congresso e sua maioria de centro-direita governam através de Temer. Um ministro que cai é logo trocado por outro indicado pelo Legislativo. Se a geringonça funcionar, o vencedor em 18 não precisará adotar medidas tão duras na economia.

Por isso presidenciáveis profissionais, como Lula, não contam com a queda de Temer. Tampouco desgostam de que ele carregue o peso das reformas ingratas.


Obs.: enquanto a esquerda desperdiça tempo precioso num desabafo que não levará a lugar nenhum, deixa de fazer a lição de casa, qual seja a apuração dos erros crassos que conduziram à vexatória derrota de 2016, a rigorosa autocrítica dos responsáveis (seguida, possivelmente, do seu afastamento) e a definição de novas estratégias e táticas, para substituírem as que fracassaram tão rotundamente na prática. 

Nós continuamos patinando sem sair do lugar, mas os fascistas, não. Eles se articulam e suas fileiras crescem a cada dia. É cada vez maior a possibilidade de uma vitória dos Bolsonaros e Caiados na eleição de 2018. E, com essa esquerda que está aí, nem de longe conseguiremos fazer frente a um fascismo com embasamento social, como o que se prenuncia. Ou acordamos depressa de nossa letargia ou seremos futuramente engolidos. A contagem regressiva está em curso. (Celso Lungaretti

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s